MPE desarticula esquema de extorsão no Carumbé


O Ministério Publico Estadual (MPE) desarticulou um sistema de extorsão promovido por membros de igrejas evangélicas, dentro do Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC), a antiga Cadeia Pública do Carumbé.
A operação foi em cumprimento a mandados de busca e apreensão, expedido pela 2º Vara de Execução Penal da Capital.

O promotor de Justiça Célio Wilson de Oliveira informou ao MidiaNews que a ação foi motivada por várias denúncias de presos e de parentes, sobre a cobrança de dízimo. Os denunciantes relatam que os presos que não contribuíam com as igrejas sofriam agressões, eram punidos com transferência para outras alas e até perdiam o direito de dormir em camas.

“As cotas eram para as mais variadas necessidades, compra de geladeiras, televisores e até para manter um programa de rádio, chamado 'Momento Evangélico'. Todos os dias, os presos tinham que pagar o dízimo. Quem não pagava era expulso para outra cela, agredido, obrigado a dormir dentro do banheiro”, relatou o promotor.

Célio Wilson disse que, além da cobrança do dízimo, os membros das igrejas mantinham um comércio paralelo, dentro do Centro de Ressocialização. Nesse tipo de mercado, eram vendidos leite Ninho, açúcar, sabão, geladinhos, lanches e outros gêneros alimentícios.

O promotor aponta que as denúncias pesam contra três igrejas evangélicas: Universal do Reino de Deus, Assembleia de Deus e Deus é Amor. Ele informou que foram encontrados, aproximadamente, R$ 1,5 mil, com um representante da Igreja Universal. Por mês, a renda de cada igreja, dentro do presídio, é de R$ 15 mil.

“Essa atividade começou com a finalidade de ajudar os presos. Inicialmente, foram feitas reformas dentro do presídio, mas a situação tomou outros rumos e quem não pagava sofria duras penas. O mais agravante é que, estando no cárcere, os detentos ameaçados não tinham pra onde correr. É diferente das situações fora da cadeia, onde a pessoa pode simplesmente parar de frequentar a igreja. Ali quem não pagava apanhava”, disse Célio Wilson.

O promotor informou que os dirigentes da “Ala dos Evangélicos” serão transferidos para outras unidades prisionais no Estado. Ele admitiu que o trabalho da igrejas é importante para a recuperação dos reeducandos, mas que não serão admitidos extorsão e uso de força, para manter atividades religiosas dentro do cárcere.

“O trabalho da igreja é reconhecido e tem um bom resultado na recuperação de presos. Mas, o que vimos foi um comercio ilegal, extorsão e violência”, disse o promotor.

A operação teve a participação de 50 policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e da Ronda Tática Ostensiva Móvel (Rotam), além do Ministério Público (MP) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

O Centro de Ressocialização de Cuiabá tem capacidade para abrigar 392 reeducandos, mas possui cerca de 1,1 mil, atualmente.
Share on Google Plus

Assuntos Relacionados

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu Comentario