Votos em Disputa

Os candidatos que estão na disputa em Nobres, majoritários e proporcionais, correm atrás de 11.512 eleitores aptos a votar e estão distribuídos em 44 seções eleitorais espalhadas entre a zona urbana e rural. Deste total, 531 títulos eleitorais estão cancelados e 93 encontram-se suspensos. Eles pertencem a 3ª Zona Eleitoral, com sete seções que funcionarão na Escola Estadual Fábio Silvério de Farias; oito na Escola Estadual "Prefeito Mário Abraão Nassarden"; nove na Escola Estadual "Prof. Nilo Póvoas"; quatro na Escola Municipal Marechal Rondon; duas na Escola Municipal Zeferino Dorneles Costa; uma na Escola Municipal Olavo Mendes Duarte; duas na Escola Dalcy Cândida de Souza; e, onze no Centro de Educação Básica Maria Honorata de Campos.

A Justiça Eleitoral, através do juiz eleitoral Ângelo Judai Júnior, vai treinar mesários que atuarão nas eleições municipais deste ano, na Câmara Municipal de Nobres, nos dias 10, 11 e 12 de setembro, das 08:00 as 11:00 horas, conforme divulgação afixada em murais de locais públicos.
A Justiça Eleitoral toma todas as medidas necessárias para que o pleito ocorra dentro da lisura exigida, além de vasta campanha publicitária exibida cotidianamente através da mídia, acerca da forma correta de votar e de como combater a corrupção eleitoral nas eleições municipais. O eleitor só vota errado ou se deixa levar pela troca de favores se quiser, já que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) faz alertas diários às centenas, em rádios, tevês e jornais de todo o País.

Ao se deixar enganar pelos maus políticos, o eleitor vai prejudicar a sua cidade e o seu município porque a corrupção eleitoral tem atuação na subtração de verbas da saúde, afeta a educação e atrapalha os serviços de manutenção da sua cidade, sinais característicos de que algo não vai bem. É reconhecido e sabido que o desvio de recursos públicos leva o município ao subdesenvolvimento e a um estado crônico de sua economia.

Dados seguros de fontes informativas de outros municípios onde a corrupção já tenha assolado as economias, alerta que onde a corrupção encontre abrigo, ali, dificilmente prosperará um projeto que beneficie o cidadão. A corrupção atrai a ganância e por vezes chega a estimular a formação de verdadeiras quadrilhas para "atacar", sem dó nem piedade, a economia do cidadão que contribui para o município.
A pobreza reinante nas cidades, seja de que estado brasileiro for, tem como causa a corrupção, conforme consta de uma antiga cartilha distribuída há anos atrás por uma Ong do município de Rio Bonito, no estado de São Paulo, onde se lê que: "a corrupção corrói a dignidade do cidadão, contamina os indivíduos, deteriora o convívio social, arruína os serviços públicos e compromete a vida das gerações atuais e futuras".
Daí, a oportunidade de se conhecer cada candidato, quais as suas intenções e o que pretende fazer pela sua cidade.

"Denuncie o desvio de recursos públicos para fins eleitorais. É muito grave que um candidato se utilize de bens e serviços públicos para ganhar as eleições", diz um dos mandamentos que a Justiça Eleitoral disponibiliza aos cidadãos.
Então, preste bem atenção, você que vai votar. "Voto não tem preço. Tem consequências", assegura um bordão bastante difundido pelo País afora.  


Por: Benedito/Tribuna de Nobres
Share on Google Plus

Assuntos Relacionados

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu Comentario