ABUSO SEXUAL NO POMERI, Delegado pede afastamento de diretora


O delegado titular da Delegacia Especializada do Adolescente (DEA), Paulo Araújo, pediu à Justiça o afastamento da agente prisional Maria Gizelda da Silva, atual diretora do Centro Socioeducativo, o Complexo Pomeri, localizado no bairro Carumbé, em Cuiabá.

Além da diretora, um dos três gerentes da unidade também deve ser afastado. Também foi pedida a prisão preventiva de cinco agentes educadores.

As ações são referentes ao inquérito policial, instaurado em 30 de outubro deste ano, que apura denúncias de tortura de internos, formação de quadrilha e prevaricação. Mais de 20 pessoas já foram ouvidas.

Diante das apurações pela Polícia Civil, o Ministério Público Estadual (MPE) deu parecer favorável ao pedido do delegado Paulo Araújo.

Segundo a Polícia Judiciária Civil, o inquérito foi remetido à juíza titular da 6ª Vara Criminal, Suzana Guimarães Ribeiro Araújo, no dia 23 de novembro. A juíza solicitou informações da Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) sobre a denúncia.

O inquérito continua em andamento, com tomada de depoimentos de servidores e internos. A diretora do Pomeri foi notificada para prestar depoimento à Polícia, mas ainda não tinha comparecido à DEA, até a tarde de quinta-feira (6).

Abusos e tortura no cárcere

A investigação ocorreu depois que um adolescente de 14 anos, morador de Cáceres (225 km a Oeste de Cuiabá) e detido no Pomeri, relatou ao pai dele que, dentro da unidade, ocorreria um esquema de "rodízio" de abusos dos adolescentes maiores contra os menores.

O pai passou a denúncia para a psicóloga, agentes educadores e também para técnicos que atuam dentro da unidade. 
Ocorre que o caso chegou ao conhecimento dos internos que praticam os abusos. Em represália, o adolescente “delator” também foi violentado.

O delegado Paulo Araújo classificou as denúncias como "gravíssimas". Segundo depoimentos de internos, existe um esquema de abusos sexuais, cometidos dentro do centro.

Segundo os depoimentos dos menores, um agente educador conhecido como “Volverine” é apontado como o homem que abriu outras celas para que vários jovens se juntassem aos abusadores e torturassem os adolescentes por cerca de 40 minutos. 
Nesse tempo todo, os dois garotos disseram que ninguém fez nada para acabar com a violência.

Violência

Em entrevista ao MidiaNews, o delegado Paulo Araújo analisou que, diante da situação de violência, física e psicológica a que esses menores estão submetidos, eles jamais serão recuperados.

“Nestas condições, nunca teremos um adolescente recuperado. Como esse menor vai fazer uma leitura de sua própria vida com um tratamento deste tipo? Pelo contrário, eles ficarão cada vez mais violentos. Aqui fora, as pessoas dizem: 'Esse menino tem que ir lá pra dentro mesmo'. Mas, não fazem a reflexão do que acontece dentro desse sistema. E ninguém sabe o que nós fazemos enquanto autoridades para que ali se torne realmente um centro de recuperação”, disse o delegado.

Atualmente, a instituição abriga aproximadamente 150 adolescentes internos cumprindo medida socioeducativa.

A unidade tem sete alas, com 69 “quartos”, dos quais 25 estão desativados, em consequência de banheiros entupidos e depredações ocorridas em rebeliões. Leia mais AQUI.

Outro lado

A Secretaria de Justiça e Direitos Humanos, por meio da assessoria de imprensa,informou que vai encaminhar à Justiça as informações solicitadas ainda nesta semana. 
Com relação às denúncias de abusos sexuais, assessoria infirmou que foi aberto um processo administrativo para apurar o caso. 
Share on Google Plus

Assuntos Relacionados

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu Comentario