Comunitários farão protesto na BR-364

Lideranças comunitárias e moradores farão um protesto contra a lentidão das obras da travessia urbana da BR-364 e contra as mortes registradas no trecho no período dos últimos quatro anos. A manifestação será realizada na próxima segunda-feira (18/02), às 9h da manhã, próximo à ponte do Rio Vermelho, onde vem sendo construída a passagem subterrânea que liga a vila Mamed ao bairro Boa Esperança, com grandes transtornos aos usuários da rodovia e moradores.


O líder comunitário e presidente do Conselho Distrital da Região Salmen (Condisa), Ailton Pereira da Silva, organizador do protesto, atesta que é preciso mostrar aos políticos que a população não pode continuar enfrentando essa situação na rodovia e merece respeito. Ele reclama que o comércio da região está sendo grandemente prejudicado, com perdas nas vendas, e os moradores vêm sofrendo com estragos e riscos do tráfego de carretas que usam as vias dos bairros para desviar das obras. “A nossa região está ilhada, não tem como passar”, critica.
Ailton Pereira esclareceu que, a princípio, o protesto não promoverá a interdição da rodovia, sendo algo pacífico. O líder comunitário informa que a manifestação pretende chamar a atenção para os problemas enfrentados pelos moradores no trecho urbano da rodovia, com muitas mortes sendo registradas. Além disso, vem cobrar agilidade nas obras da travessia urbana, em especial da passagem subterrânea, além da conclusão do viaduto de acesso à Avenida Presidente Médici.


O suplente de senador José Medeiros confirma que dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) mostram que, no trecho em obras da travessia urbana, com cerca de 14 quilômetros, foram registradas 15 mortes decorrentes de acidentes de trânsito em um período de quatro anos – de realização dos serviços. Ele externa que a população tem que realmente participar de atos públicos e mostrar que está indignada com a realidade atual. “É um ato muito louvável”, avaliou.


Medeiros confirmou presença na manifestação e observa que a sociedade conta com os trabalhos do Comitê Pró-Rodovias, que vem lutando de forma mais burocrática por melhorias nas estradas da região, mas também é importante a indignação popular, mostrando que a “cidade de Rondonópolis não concorda em ser tratada como cidade de segunda categoria”. Nesse sentido, lembrou que as travessias das cidades mato-grossenses como Nova Mutum, Lucas do Rio Verde e Nobres são exemplares.
PASSARELA


Além da passagem subterrânea e da conclusão do antigo viaduto, Ailton Pereira defende a construção de uma passarela na BR-364 como instrumento de maior segurança aos moradores da região. A passarela seria construída, segundo ele, entre a passagem subterrânea e o antigo viaduto. Ele justifica que o acesso de pedestres pela passagem subterrânea não será algo fácil e atrativo.

Por: A Tribuna / Mato Grosso
Share on Google Plus

Assuntos Relacionados

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu Comentario