Cinco são indiciados por roubo a banco Sicredi de Nobres


Cinco pessoas foram indiciadas pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), da Polícia Judiciária Civil, na conclusão das investigações do roubo à Cooperativa do Sicredi, da cidade de Nobres (146 km ao Médio-Norte), ocorrido em janeiro desde ano, na modalidade “Sapatinho”, quando a família do gerente é feita refém.
 
Nas investigações da operação “Sapatinho Nobre”, os suspeitos H.R.C., o “Pepe”, U.B.S., conhecido por “Negão”, J.S.B., e P.T.J., o “Paulista”, foram indiciados nos crimes de extorsão mediante sequestro e formação de quadrilha. Eles tiveram mandado de prisão preventiva representado pelo delegado chefe do GCCO, Flávio Henrique Stringueta.
 
As apurações do GCCO identificaram “Pepe” como o líder da quadrilha que planejou o assalto, executado na manhã do dia 16 de janeiro. Ele tem mandado de prisão por homicídio cometido em Nobres. Sua mulher, L.C.F.T., também foi indiciada no inquérito policial.
 
As reuniões preparatórias aconteceram na residência de Paulista, que também tem passagem por roubo. Ele dividia uma casa com J.S.B., em Nobres. Negão é o único que não tinha residência fixa na região. Todos estão foragidos.
 
O crime começou às 6 horas e durou cerca de 3 horas. O gerente, sua mulher e o filho de 15 anos foram rendidos em casa, por três suspeitos armados e encapuzados. Primeiro, os assaltantes pegaram a mulher e a levaram no carro da família, um Honda Civic, para uma região de mato, nas proximidades da cidade, onde ficou vigiada por um dos bandidos. Depois retornaram com o automóvel até a casa, colocaram o gerente e o filho no veículo e foram até a agência. O bancário desceu do carro foi até a cooperativa e momentos depois entregou um malote de cerca de R$ 100 mil aos bandidos, que fugiram no veículo levando o adolescente. O veículo e o menor foram abandonados nas proximidades do local, onde a mãe foi mantida.
 
De acordo com o delegado Flávio Stringueta, desde o início das investigações a Polícia Civil acreditava que os assaltantes eram amadores e possivelmente pessoas da região, pois estavam encapuzados e agiram de modo diferente de outros assaltos na modalidade “sapatinho”, iniciando a tomada da família pela manhã e não à noite como na maioria dos casos registrados.
 
Segundo Stringueta, o bando também teve o azar de esquecer um celular no bolso de uma roupa, deixada dentro do veículo da família abandonado. “Pela agenda foi só cruzar os números que se falaram”, disse. “Dessa investigação ajudamos a prender em flagrante dois traficantes em Nova Mutum com 1.224 porções de pasta-base e dois em Nobres, e uma quadrilha de arrombamento de caixas eletrônicos no Amapá”, afirma o delegado. 
 
O delegado Flávio Stringueta critica a forma rápida como o dinheiro foi entregue a quadrilha, sem nenhuma orientação da polícia. “Enquanto os bancos pagarem, os gerentes continuarão sendo vítimas desses grupos”, alerta.
 
O inquérito policial foi encaminhado na semana passada à Vara Especializada de Combate ao Crime Organizado, Crimes Contra a Ordem Tributária, Econômica e Contra a Administração Pública, de Cuiabá.

Por: Expresso MT
Share on Google Plus

Assuntos Relacionados

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu Comentario