Delegado afirma que assassinato de juíza foi premeditado

O assassinato da juíza Glauciane Chaves de Melo, de 42 anos, ao contrário do que declarou o enfermeiro Evanderly de Oliveira Lima, 44, ex-marido dela, foi premeditado.

O assassino confesso não trouxe a arma de Belo Horizonte(MG) para Alto Taquari(MT) quando veio com juíza, até então esposa dele, em junho do ano passado. Provavelmente, acredita a polícia, ele comprou o revólver usado no crime, calibre 38, depois da separação, que aconteceu em dezembro de 2012.

O delegado João Ferreira Borges, que preside o inquérito, diz que não havia nenhum motivo para Evanderly ir ao Fórum armado não fosse para matar a ex-mulher. O assassinato de Glauciane não tem testemunha ocular, mas funcionários viram quando o acusado saiu levando o revólver em uma das mãos.

Com base nesse entendimento, Ferreira Borges disse que o relatará como homicídio premeditado. “Ele não pegou uma arma qualquer que encontrou no local e agiu sob violenta emoção, chegou ao local armado”, reforça o delegado.

A juíza trabalhava sozinha no gabinete onde costumava passar horas despachando processos. O enfermeiro, que mesmo separado tinha livre acesso ao local, na manhã do assassinato, agiu como habitualmente. Chegou ao fórum e seguiu direto para a sala da ex.

Ferreira Borges observa que não há depoimento no processo que confirme que Glauciane vinha sendo ameaçada, tampouco queixa na polícia. Entretanto, os rumores na cidade são de que ele, como não aceitava a separação, passou a ameaçá-la ao saber que a juíza estaria se relacionando com outra pessoa.

Nos próximos dias, informou o delegado, o inquérito será concluído e o encaminhado à Justiça. Sobre o assassino, ele informa que o mais provável é que permaneça preso no Anexo II da Penitenciária Central do Estado(antigo Pascoal Ramos), em Cuiabá, a chamada Polinter, onde chegou ontem.

O enfermeiro tem curso superior, o que pela legislação brasileira lhe assegura o direito á prisão especial. Além disso, em Alto Taquari não há presídio.

O crime


Evanderly matou a juíza com dois tiros na cabeça na manhã do dia sete deste mês, sexta-feira. Os tiros atingiram a parte de trás da cabeça e o corpo dela estava caído próximo à porta do gabinete, o que leva a entender que tentou fugir do local.

Ele está preso e foi indiciado por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe(fútil) e meio que impossibilitaram a defesa da vítima.


Diário de Cuiabá
Share on Google Plus

Assuntos Relacionados

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu Comentario