Henry diz que Saúde "desviou" R$ 37 milhões de hospital

O deputado federal Pedro Henry (PP) afirmou aos deputados estaduais da Comissão de Saúde, durante sabatina na manhã desta terça-feira (3), que R$ 37,4 milhões deixaram de ser aplicados no Hospital Regional de Sinop (500 km ao Norte de Cuiabá), entre maio de 2012 e agosto deste ano. 

O valor, segundo Henry, teria sido usado pela Secretaria de Estado de Saúde para "outras finalidades". O parlamentar afirmou que, dos R$ 54,6 milhões que o hospital deveria ter recebido no período, o Estado repassou apenas R$ 17,2 milhões. 

“Se só foram repassados R$ 17,2 milhões, então esse dinheiro está sendo aplicado em outro lugar, está sendo desviado pra outra coisa”, disse o deputado, observando que, nesse caso, o Estado deixa de cumprir compromisso com o Ministério da Saúde.

No total, o Hospital Regional de Sinop deveria ter recebido R$ 3,5 milhões por mês no período – sendo R$ 2,3 milhões do Ministério da Saúde, e R$ 1,2 milhão de contrapartida do Governo do Estado. 

"Esse dinheiro deveria ir para a compra de equipamentos e custeio do hospital, mas não foi. Desse modo, fica impossível a unidade produzir o que deveria por ano", afirmou o parlamentar.

Membro da Comissão de Saúde, o deputado Baiano Filho (PMDB) disse que não vê a falta de repasses para o Hospital Metropolitano de Sinop como desvio de dinheiro. Para ,houve uma retenção de recursos. 

“Agora, o que temos que ver é se essa retenção prejudicou o funcionamento do hospital”, destacou o parlamentar. 

Ele disse que se encontrou com o secretário de Saúde, Mauri Rodrigues, e pediu esclarecimentos sobre os repasses parciais ao Metropolitano de Sinop. 

“O secretário me explicou que não estava passando os recursos de forma integral, pois o hospital ainda não está em seu pleno funcionamento”, contou Baiano Filho. 

Segundo o deputado, o secretário Rodrigues disse que o prédio da unidade de Saúde ainda precisava passar por obras de infraestrutura. Além disso, ainda faltam chegar alguns equipamentos que são utilizados no dia-a-dia pelos os médicos, como os aparelhos de oxigênio. 

Atualmente, dos R$ 3, 415 milhões que o Estado deveria repassar mensalmente ao Hospital Metropolitano de Sinop, é repassado apena R$ 1,540 milhão. 

"Bom negócio"

Para o deputado Ademir Brunetto (PT) - que também integra a Comissão de Saúde -, o Governo “nunca” irá estruturar o hospital de Sinop. “Se ele fizer isso, será só final da gestão”, afirmou o parlamentar. 

Segundo ele, é lucro manter o hospital inacabado. “Com isso, o Governo está retendo mais de R$ 2 milhões por mês e, assim, acumulando uma grande concentração de dinheiro. Bom negócio esse, né? Pra quê o Governo vai querer estruturar o Metropolitano de Sinop”, ironizou o deputado.
 
Brunetto entende que Governo Silval Barbosa está, sim, desviando recursos públicos. 

“Qual é o nome que vamos dar pra isso? Se o Governo está retendo R$ 18 milhões, eu quero saber onde foi parar esse dinheiro”, disse o deputado, que afirmou que entrará com uma denúncia no Ministério Público para investigar as denúncias apontadas por Pedro Henry. 

Em seguida, o deputado fez um requerimento verbal à comissão, solicitando a presença do secretário de Saúde, Mauri Rodrigues, para dar esclarecimentos sobre como são administrados os aportes de recursos que chegam, via Ministério de Saúde, aos cofres do Estado. 

A sabatina do secretário está programada para quarta-feira (4), às 9h, no auditório da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa. 

Próximas atividades 

O principal questionamento da comissão será saber se o montante de recurso que é aplicado no Metropolitano de Sinop é suficiente para manter o bom funcionamento do hospital. 

“Se o secretário me convencer de que os recursos são suficientes, eu vou dar razão a ele. Agora, se for comprovado que o dinheiro aplicado não é suficiente para manter o hospital, o secretário estará errado ao não destinar os recursos de forma integral à unidade hospitalar, que atende toda a região do Norte de Mato Grosso”, concluiu Brunetto. 

O Hospital de Sinop é gerenciado pela Organização Social de Saúde (OSS) Fundação de Saúde Comunitária de Sinop (Hospital Santo Antônio).

Pedro Henry foi secretário da pasta no primeiro ano do Governo Silval Barbosa (PMDB), em 2011, e foi responsável por implantar o sistema de gestão por meio de OSS. 

Ele foi sucedido no cargo por seu secretário-adjunto, Vander Fernandes, que ficou no comando da pasta até janeiro deste ano. 

Após a demissão de Vander, Mauri Rodrigues de Lima assumiu a secretaria.

Segundo a denúncia de Henry, o "desvio de finalidade" teria ocorrido durante oito meses da gestão do ex-secretário Vander e nos oito meses da gestão de Mauri.


Midia News
Share on Google Plus

Assuntos Relacionados

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu Comentario