Líder de quadrilha de roubo a gado tinha histórico de 25 anos de crimes

Com histórico criminal de mais de 25 anos, o líder da principal quadrilha de roubos de gado e defensivos agrícolas, que atuava em Mato Grosso, Quezil Góes de Siqueira, 50, morto durante a operação "Boi Bandido", da Polícia Judiciária Civil, em Barra do Bugres (168 km a Médio-Norte), era investigado em assassinados na região de Arenápolis (258 km a Médio-Norte) e diversos roubos cometidos no Estado. 

A ação integra a operação da Segurança Pública "Top Five", com o objetivo de identificar e prender lideranças criminosas que agem em roubos na zona rural. A ação cumpre determinação da Secretaria de Estado de Segurança Pública para redução dos roubos de gado e defensivos agrícolas. 

Com registros criminais desde o ano de 1990, por vários roubos praticados e homicídios, além de seis mandados de prisão cumpridos ao longo de mais duas décadas de crimes, o criminoso Quezil tem fama de matador de aluguel na região Médio-Norte. Em uma das ocasiões que foi preso, há cerca de 8 anos, pela Polícia Civil na região de Tangará da Serra, o criminoso teria confessado 15 homicídios, mas não deu detalhes das vítimas. 

“A fama dele é de pistoleiro. Há informações que estão sendo trabalhadas em alguns homicídios. Mas nessa região tem a lei do silêncio. Tem muitas informações que não estão materializadas nos autos”, destacou o delegado regional de Diamantino, Sérgio Paulo de Oliveira Medeiros. 

O assaltante mato-grossense também respondia por homicídio no interior do estado do Paraná, em 2005. Um ano depois, 2006, ele apareceu como procurado no programa "Linha Direta" pelo crime cometido a mando do marido da vítima para ficar com a herança dela. 

A quadrilha liderada por Quezil foi desarticulada na quinta-feira (05.06) passada e resultou na prisão de quatro criminosos, na morte de dois e ferimento do delegado Nelder Martins Pereira e o investigador Antenor Francisco da Silva. O investigador que levou um tiro na perna recebeu alta hospitalar na segunda-feira (08) e o delegado, atingido na lateral do tórax, permanece em observação em um hospital em Cuiabá. Ambos estavam de coletes a prova de bala da ação. 

Foram presos: Adenilson da Flores Cavalcantei, Jovanir das Flores Cavalcante, Carlos José Freitas, Frankione Lemes Chaves, pelos crimes de roubo qualificado, associação criminosa, resistência a prisão e cárcere privado. Na ação morreram, o líder do bando Quezil e Alexandre Bezerra. Outros membros da quadrilha são procurados. 

Com os bandidos foram apreendidos cinco armas de fogo, sendo três pistolas e dois revólveres, três motocicletas, três carretas e dois veículos, além de produtos recuperados da sede fazenda que já estavam dentro de um veículo, de propriedade de uma das vítimas. 

Quezil Góes de Siqueira é natural de Alto Paraguai (218 km a Médio-Norte) e na região sua organização executou roubos em fazendas dos municípios de Tangará da Serra, Alto Paraguai, Nobres, Rosário Oeste, Campo Novo dos Parecis, mas também há registro da atuação do grupo no Oeste de Mato, na região de Rio Branco e Salto do Céu. 

De acordo com as investigações, pelo menos 22 pessoas integram a quadrilha, sendo que 16 pessoas foram presas, durante as investigações, além dos presos na operação e dos dois mortos. 

Na semana passada, monitoramento do Núcleo de Inteligência da Regional de Tangara da Serra levou a Polícia Civil a descobrir que a quadrilha iria cometer novo assalto, em uma fazenda a 40 km do município de Barra do Bugres, nas proximidades do Distrito do Currupira. 

Quadrilha pretendia roubar cerca de 150 cabeças de gado, que seriam transportadas em três carretas. Com a informação de que o gado seguiria para região de Tangará da Serra e Jangada, equipes policiais da Gerência de Operações Especiais (Goe), de Tangara da Serra, Nova Olímpia e Barra do Bugres foram posicionadas em pontos estratégicos das duas localidades para interceptar o carregamento. Duas das carretas foram abordadas na barreira. Uma delas vinha na frente, quando foi parada pelos policiais. O motorista estava na posse de uma pistola 40 e foi preso. 

Entre as duas carretas, um veículo Vectra servia de batedor e percebeu que a primeira carreta diminuiu a velocidade. Os dois ocupantes do automóvel fugiram em alta velocidade no carro. O segundo caminhão foi pra cima da viatura da Gerência de Operações Especiais e o motorista atirou contra os policiais, que revidaram atingindo o motorista, que foi a óbito, antes da chegada da ambulância de socorro. 

Reféns 

O primeiro caminhoneiro se entregou e levou os policiais até o local do assalto, onde haviam mais seis assaltantes. Os bandidos estavam na propriedade deste o final da tarde de quinta-feira e lá renderam 19 pessoas que estavam no imóvel rural, sendo cinco crianças, seis mulheres e oito homens. 

Inicialmente a polícia acreditava que eram oito os reféns, mas quando os policiais chegaram na propriedade encontraram as vítimas em dois quartos. “No primeiro cômodo tinha seis homens adultos trancados dentro. No segundo quarto, tinha cinco crianças entre 2 e 6 anos, e seis mulheres, mais um adolescente e o gerente da fazenda", disse um investigador da Gerência de Operações Especiais (Goe), que esteve na operação. 

De acordo com o policial, a quadrilha agiu com muita violência chegando a desferir um soco no estômago de um idoso e outro no rosto de um homem. As vítimas contaram aos policiais, que por volta das 16h30, do dia 5 de junho, cerca de 10 homens fortemente armados invadiram a propriedade fizeram todos que estavam no local reféns. 

Os criminosos também abordaram moradores que passavam pela estrada de acesso e levaram todos para a fazenda. “Eles ameaçavam matar, manobravam as armas em frente as crianças e deram tiros para assustar”, informou o policial. 

Investigação 

O delegado regional de Tangara da Serra, Alexandre Morais Franco, informou que a quadrilha era monitorada já três meses por agir em vários roubos de gado e defensivos agrícolas por toda região do Médio-Norte e também no Oeste de Mato Grosso. “São assaltantes que agem com violência e usam armamento pesado. Eles adentram nas propriedades, rendem famílias e funcionários, separam e carregam o gado em caminhões”, pontuou o delegado. 

Para o delegado, com a desarticulação da quadrilha os roubos em propriedades rurais devem reduzir drasticamente, pois a organização era a principal que atuava na região Médio Norte e Oeste de Mato Grosso. "Acreditamos que os roubos de gado e defensivos devem diminuir significativamente trazendo mais paz no campo", destacou. 

Linha Direta 

Apontado como pistoleiro de aluguel, Quezil Goés, no ano de 2006, apareceu no programa Linha Direta, da Rede Globo, como acusado de assassinar uma mulher, em Paranavaí, no interior do estado do Paraná, pelo valor de R$ 2 mil. O criminoso foi contratado pelo marido da vítima, o bancário José Delfuzzi Filho, para matar a esposa, Luiza Bergo Delfuzzi, 58 anos, herdeira de um patrimônio avaliado em R$ 6 milhões. 

O crime aconteceu no dia 12 de maio de 2005. A vítima foi morta por vários golpes de faca depois de sofrer ameaças de morte do marido, que não aceitava o pedido de separação.O mentor do crime, José Delfuzzi, contratou o pistoleiro Quezil, em Nova Marilândia (MT), para onde se mudou sozinho depois de se aposentar e foi eleito vereador.

Fonte: Assessoria
Share on Google Plus

Assuntos Relacionados

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu Comentario