Custo da cesta básica sobe e é 4ª do país que mais pesa no mínimo



supermercado cuiabáA cesta básica ficou 0,12% mais cara em Cuiabá em setembro e fechou o mês em R$ 453,65. Com a leve alta, a capital de Mato Grosso está entre as 13 capitais no país que registraram aumento no preço da cesta básica, segundo levantamento da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos divulgado nesta quinta (06) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) sobre as 27 capitais.
O levantamento mostra, ainda, que Cuiabá é a 4ª capital onde o preço da cesta básica mais pesa no bolso do consumidor em relação ao preço do salário mínimo, numa proporção de 56,03%. Para garantir os produtos na mesa, o consumidor cuiabano precisa trabalhar o equivalente a 113 horas 25 minutos.
A maior porcentagem do salário mínimo líquido é registrada em Porto Alegre (59%), seguida de São Paulo (58,25%) e Brasília (57,06%).
Entre os 13 produtos com evolução dos preços avaliados mensalmente pelo Dieese, em Cuiabá, sete tiveram os preços elevados, com destaques para a banana (6,45%), tomate (5,88%), carne (2,57%) e óleo (1,94%). Entre os produtos que tiveram preço reduzido no mês, a maior baixa foi verificada na bata (-14,69%), feijão (-5,27%) e leite (-3,32%).
Capitais
As maiores altas de preço na cesta básica em setembro, segundo o Dieese, ocorreram em Brasília (2,37%), Salvador (1,46%), Fortaleza (1,42%) e Recife (1,06%). As retrações mais expressivas foram observadas em Macapá (-5,18%), Goiânia (-4,31%), Campo Grande (-1,95%) e Belo Horizonte (-1,88%). Segundo a pesquisa, a cesta mais cara foi a de Porto Alegre (R$ 477,69), seguida de São Paulo (R$ 471,57) e Brasília (R$ 461,99).
Acumulado
No acumulado do ano, entre janeiro e setembro de 2016, todas as cidades acumularam alta. As elevações mais expressivas foram observadas em Boa Vista (22,02%), Maceió (21,67%) e Salvador (21,54%). Os menores aumentos ocorreram em Florianópolis (5,89%), Curitiba (8,45%) e Manaus (9,15%).

Fonte: RD NEWS
Share on Google Plus

Assuntos Relacionados

0 comentários :

Postar um comentário

Deixe seu Comentario